Veneno culposo

Todos os dias, ele me envenenava mais, sem nem perceber. E eu pedia por mais, sem nem me dar conta da dor.

A cada vez que me dizia “eu te amo”, eu morria um pouco.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s