Comédia romântica: Um amor, mil casamentos

Reviravolta de Um Amor, Mil Casamentos arruína filme da Netflix ...
Um amor, mil casamentos (Netflix/2020)

É uma comédia romântica que faz parte dos lançamentos de 2020, estreado em 10 de abril por Olivia Munn, que atuou em O predador (2018) e X-men: Apocalipse (2016) e Sam Clafin, que ganhou visibilidade maior no Brasil com Jogos Vorazes: Em chamas (2013) e A esperança (2014), seguindo com os filmes Simplesmente acontece (2014) e Como eu era antes de você (2016), nos quais fez muito sucesso. O filme em questão está ganhando reconhecimento no país, disponível pela plataforma de streaming mundialmente conhecida, a Netflix.

O filme

Um amor, mil casamentos (do original Love wedding repeat) é uma comédia romântica que passa os primeiros minutos com Jack (Sam Clafin) e Dina (Olivia Munn) se despedindo após um fim de semana que tiveram para se conhecer. O rapaz, muito inseguro, não ousou tomar uma atitude romântica, até ser tarde demais e a oportunidade se esvair.

Dois anos depois, Hayley (Eleanor Tomlison), a irmã de Jack, está se casando em Roma com Roberto, um rapaz italiano que conheceu seis meses antes. O evento começa sem grandes problemas, a noiva está estressada e preocupada, mas com o apoio do irmão, consegue realizar a cerimônia tranquilamente.

Love Wedding Repeat review: Netflix's rom-com ruins 2 genres with ...
Um amor, mil casamentos (Netflix/2020)

Hayley após se casar, durante a festa de celebração, vê um rapaz, Marc (Jack Farthing), indesejado circulando por entre seus convidados. A jovem mulher tenta retira-lo de lá, mas percebe que ele está instável e fora de si, devido ao consumo de alguns tipos de droga junto da obsessão por ela desde os quinze anos, pronto para fazer um escândalo.

A trama se fortalece com esse caso. Jack recebe a função de colocar calmante na bebida do intruso, pois os convidados estavam divididos de acordo com o país de origem, ambos se sentariam na mesma mesa, junto de mais seis pessoas. Dina também foi convidada, por ser amiga da noiva, e isso promove o reencontro do casal que dois anos antes não se saíram tão bem. Junto dos três já citados, se sentaram um casal mal resolvido, a moça, Amanda (Freida Pinto), ex-namorada de Jack, em que passaram por um relacionamento que por várias vezes é descrito como desagradável e complicado. A trama é armada.

Dina e o paquera se sentam distantes, enquanto esse, está ao lado de Amanda, que não o suporta e aparentemente, não superou o término e Marc está pronto para acabar com a festa. A partir desse momento, alguns acontecimentos desencadearam o conhecido efeito borboleta.

Acontece de Dina precisar sair às pressas por uma emergência com um belo homem que conheceu naquele dia. Roberto descobre que Hayley o traiu com Marc e acaba caindo da sacada, como inúmeros outros infortúnios. Em sequência várias cenas aparecem das crianças trocando os lugares e os resultados, cada uma representando parte das consequências dos lugares em que cada um poderia ter se sentado e em como conseguiria influenciar o desenrolar do dia.

O final de 'Um Amor, Mil Casamentos' foi a melhor solução?
Sam Clafin e Olivia Munn (Imagens promocionais- Netflix)

Param a cena em um novo posicionamento, Dina ao lado de Jack, finalmente, o único problema é que nesse posicionamento, quem toma o remédio é aquele que o ministrou. O irmão da noiva passa a maior parte do tempo dormindo de forma involuntária, aumentando as tensões com Dina, pois acontece enquanto ela fala, aparentando desinteresse, e ela decide ir ao bar e se embebedar até a noite. Jack age de forma mais concisa (quando acordado) para impedir Marc de acabar com o casamento e dessa vez, por mais sonolento que estivesse, convenceu o rapaz a desistir da ideia e pensar apenas no que faz a Hayley feliz.

A emergência de trabalho se repete, a repórter precisa correr para o aeroporto, dessa vez, sozinha. Jack já livre dos calmantes, corre até ela e pergunta se a chance deles tinha passado e ela confirma. Ambos seguem seus caminhos. Mas a chance quem faz somos nós. Ele corre até ela e a beija.

Um amor, mil casamentos (Netflix/2020)

***

Não há motivos para criticar de forma muito negativa esse roteiro, por se tratar de uma comédia leve. Trabalha a questão das possibilidades e algumas atitudes características do ser humano, como a falta de atenção, estresse, rancor, descontração e tranquilidade. Jack não é um personagem galanteador ou extremamente confiante de si, como os filmes muitas vezes mostram os seus galãs. Além de que, os conflitos são bem posicionados, mesmo que de forma clichê.

É um filme tranquilo, para descontração com a família ou amigos. Conta com belas imagens e cenário bem composto, o que complementa bem a temática do casamento. Não desperta grande entusiamos, mas não digo que foi uma perca de tempo para mim, no caso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s