Sonho de uma gata

Estou nadando, quando dou fé, mergulhei, cheguei a imensidão do céu estrelado, passei ao perto da lua, desci para a cidade.
Consegui ver tudo. Todos os pontos luminosos, as áreas periféricas, os pontos rurais. Tudo líquido, tudo água. Brilhos refletiam sua luz, carros tremulavam em ondas de fluxo. A vida estava normal. Outras voavam comigo, diferentes umas das outras. Visitei partes da cidade. Vi coisas explícitas e implícitas por toda a noite.

Me balancei para um apartamento alto, longe mas o mais próximo de onde estava. As pessoas estão saindo da casa, que pena, acabei de chegar. Olhando para a rua lá embaixo, vi que eles estavam subindo novamente, esqueceram as mascaras. Mascaras? Todos estão usando. Vou descer.

Flutuei acima de uma avenida movimentada. Foi aqui perto que nasci. Segui por algumas ruas menos movimentadas, pessoas brigavam. Na praça vi um grupo de cachorros deitados juntos se aquecendo, perto deles, um casal de pessoas embrulhados em um mesmo cobertor, estão com frio, tenho certeza.

Desse ponto, o céu é bem menos estrelado, já escutei que é a poluição, também que são as luzes das ruas que ofuscam as dos astros. Isso é tudo balela. É a ignorância deles que fazem com que não se permitam ver o brilho delas. Aquele casal está realmente com frio, mas juntos. Por que eles ficam juntos?

Me lembro daquele gatinho que conheci na semana passada, eu não seria compatível com ninguém além da Miranda e a cachorra dela, embora a segunda eu apenas tenha me acostumado e até tomei gosto por a ver. Será que consigo ver minha mãe aqui? Me movimentei pela cidade, e creio que talvez não encontre, não me lembro de onde vim, no máximo conseguiria dizer para onde vou, que é para casa.

Em meio a agua que não me molha, fui para o que seria a minha casa, lá eu dormia em uma posição adorável, cadê a Miranda para tirar fotos minhas assim? Sou realmente bela. Esse preto me caí bem, além de estar em plena forma. Estou cansada.

Nadei de volta para a piscina, acima do céu, acordei, me espreguicei, cocei a orelha, rebolei até a água e o pote de ração. Miranda passou ao meu lado e me acariciou com o pé. Voltei para a cama, lambi minha barriga e voltei a dormir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s